Apresentação

A arte chinesa é extremamente complexa, e de difícil abordagem. Múltiplas barreiras se levantam entre o Ocidente e o Extremo Oriente: a escrita chinesa, pintura de idéias, constitui o primeiro importante obstáculo; a antiguidade cultural deste povo, a sua evolução num meio fechado e a singularidade de sua psicologia são outros tantos obstáculos; as suas tradicionais formas sociais, os seus costumes mais mágicos que religiosos de aproximação do sagrado, tornam difícil a sua compreensão. A estética da sua arte reúne todos estes elementos: simbolismo ideológico, extrema antiguidade, evolução particular e complicada dos conceitos artísticos, fundamento mágico-religioso da suas crenças. O seu estudo é, pois, delicado se se quiser aprofundar.

Um último obstáculo se ergue no caminho do seu conhecimento: as primeiras obras de arte chinesa que chegaram ao Ocidente pertenciam à última época da dinastia Ts'ing (1644 - 1912), período de decadência, de influência européia nas oficinas chinesas que então inundaram a Europa de «objetos chineses» vulgares, de porcelanas românticas. de estatuetas rococó, de jarrões de cores berrantes. Esta «arte» chinesa imperou em todas as lareiras dos salões europeus, importada pelas companhias orientais holandesa, francesa e inglesa desde o século XVII. A arte chinesa durante muito tempo só foi conhecida e apreciada através desta nociva caricatura. Foi necessário o trabalho lento dos sinólogos, dos especialistas, colecionadores e peritos, para que o Ocidente conhecesse o verdadeiro rosto desta estética tão particular e complexa.

por J. Riviere

...........................................

Seja bem vindo a nossa seleção de textos sobre Arte Chinesa. O objetivo desta página é fornecer alguns elementos introdutórios sobre as principais formas e teorias da arte chinesa tradicional, através da visão de especialistas cuja apresentação simplificada a acessível torna um pouco mais compreensível o mundo artístico fascinante desta civilização asiática.
Boa leitura!